Seus olhos estão abertos para as oportunidades?

Talvez uma das experiências mais desafiadoras que tive em minha vida foi ir para o exterior. Estar em um contexto cultural diferente faz com que você saia da sua zona de conforto. Você se torna dependente dos outros e tem que aprender como as coisas realmente funcionam – o que provavelmente será diferente do seu país de origem. Mas eu escolhi fazer isso. Me candidatei para essa aventura quando estava terminando meus estudos na faculdade. Fui selecionado. Que presente!

Pude me preparar por, pelo menos, três meses antes do embarque para a Noruega. Conversei com pessoas que estiveram no meu lugar, fiz pesquisas sobre o modo de vida naquele país, cultura, idioma, comida, comportamento, etc. Tudo isso me ajudou de certa forma. No entanto, vivi algo novo para mim, que me deixou chocado principalmente nos três primeiros meses de intercâmbio e que foi bem diferente da minha experiência anterior, me fazendo pensar muito e refletindo inclusive neste texto: REFUGIADOS.

Durante meu tempo na Noruega, trabalhei em um projeto na cidade de Stavanger, o qual consistia de encontros semanais em uma antiga sede da igreja luterana norueguesa. Minhas tarefas eram basicamente preparar refeições, organizar jogos, conversar com pessoas e fazer novos amigos. Toda semana chegavam visitantes, o que é algo incrível naquele contexto. Em um desses encontros, tive a oportunidade de conhecer um refugiado que estava morando na cidade. Uma das primeiras perguntas que fiz foi se ele sentia falta de algo do seu país. A resposta veio com um início bem direto: “claro!”. Ela envolvia família, comida e amigos. Percebi naquele momento que eu não tinha ideia sobre o que é ou como é ser um refugiado. Dias depois, nos reencontrarmos e tivemos mais tempo para conversar sobre nossas histórias de vida e de fé. Aproveitei para aprofundar o assunto e perguntei a ele como é ser um refugiado na Noruega. Ele me respondeu:

Eu sou do Afeganistão. No meu país, tivemos muitos problemas com a questão social, com a falta de liberdade e segurança. Eu e minha família tivemos que fugir de lá, deixar nossa loja, carro, moto e nossa fazenda para trás. Partimos para o Irã na esperança de uma vida mais pacífica. Mas isso não foi uma boa ideia. Então, tentamos voltar ao Afeganistão, mas não conseguimos. Por fim, cheguei aqui em outubro de 2015, mas tive que esperar pela permissão do governo norueguês para poder ficar no país. Esperei uns 27 meses sob condições de vida muito ruins e estressantes. A minha família não está aqui comigo porque não conseguiram a permissão. Me sinto sozinho e muito cansado da vida, mas tento ser positivo. Quando eu vejo um cara da minha idade que anda pelas ruas, parques ou qualquer outro lugar com a sua família e amigos, penso na minha própria família. É muito difícil lidar com isso! Finalmente, e depois de muito tempo esperando, fixei residência na Noruega. Agora, trabalho na cozinha de uma escola e está tudo indo bem”.

Histórias como esta abriram os meus olhos para uma realidade que eu não estava acostumado.

Participei também de um projeto chamado “språkkaffe”, no qual podíamos aprender a língua local enquanto tomávamos um bom café acompanhado de boa comida – lá quase tudo envolve comida, e isso é incrível! Por meio deste projeto, pude conhecer muitos refugiados e tive a oportunidade de fazer algo para ajudá-los a se integrarem na sociedade norueguesa. A língua é um aspecto cultural muito importante se quisermos fazer parte de uma nova cultura. Por isso, o projeto conta com muitos voluntários, falantes da língua norueguesa que dispõem do seu tempo para ajudar àqueles que não tiveram como aprender antes de vir para a Noruega.

Projetos como esses me surpreenderam, pois ao olhar para essas pessoas, refugiados e ao mesmo tempo voluntários com tanto potencial, rindo juntos e conversando sem desrespeito ou preconceitos, percebi como uma simples iniciativa pode se tornar tão importante e como nós cristãos podemos usar oportunidades como essas para nos conectar com outros, falar do Evangelho que traz descanso e paz.

Lucas Flores

Intercambista do programa Connect.

segunda-feira, 08 julho 2019

Mais do ME

Discipulado – vontade de Deus para o povo de Deus

Discipulado – vontade de Deus para o povo de Deus

Estamos produzindo discípulos maduros que imitam Cristo, constantemente servindo os outros? Se a resposta é “não”, então por que existimos? Jesus está dizendo que quem realmente está disposto a tornar-se cristão vai andar no mesmo ritmo dele, vai seguir seus passos e fazer o que Ele fazia: discípulos.

ler mais

Mais de 2000 jovens participam de encontrões regionais

Todos esses encontros e temas discutidos são importantes para que haja um despertar de pessoas e vocações a partir da ação do Espírito Santo, além de proporcionar contatos entre jovens que clamam pelo Reino de Deus em várias partes do país.

Discipulado – vontade de Deus para o povo de Deus

Estamos produzindo discípulos maduros que imitam Cristo, constantemente servindo os outros? Se a resposta é “não”, então por que existimos? Jesus está dizendo que quem realmente está disposto a tornar-se cristão vai andar no mesmo ritmo dele, vai seguir seus passos e fazer o que Ele fazia: discípulos.

ME na assembleia da Alianza Evangélica Latina

Sou muito grato a Deus de ver coisas impactantes que Ele está fazendo e também de que a AEL, começa a ser boa referência e ousada em nortear e motivar com temas para os próximos 10 anos.

Fatos marcantes da Reforma Protestante

31 de outubro de 1517 foi o ponto de partida do movimento da Reforma. Nesta data, o teólogo Martim Lutero difundiu suas “95 teses”, frases curtas nas quais criticava o comércio das indulgências – um sistema de perdão dos pecados da Igreja Católica de São Pedro no Vaticano –  e questionava a autoridade do Papa Leão X  que o excomungou em 1521. 

Uma espiritualidade saudável que dá sentido à vida

Em uma sociedade hedonista e uma igreja muitas vezes triunfalista onde a dor e o sofrimento são facilmente identificados com a ausência de espiritualidade urge a necessidade de se falar sobre o suicídio para que essa compreensão seja mudada e que mais pessoas se tornem sensíveis à dor e ao sofrimento ao seu redor.

Espiritualidade emocionalmente saudável

Durante o segundo encontro do SOMA, uma turma de mais de 30 jovens tiveram a oportunidade de aprender um pouco mais sobre uma vida espiritual e emocional saudáveis, como elas estão ligadas entre si, quais as cargas familiares positivas e negativas que carregam e como esses fatores influenciam para o desenvolvimento da própria personalidade.

Abraão e os 300

Abrão foi chamado por Deus para deixar sua casa e partir para uma terra que o próprio Senhor mostraria a ele, sob a orientação de que deixasse tudo para trás – parentes inclusive. Contrariado ele leva um dos seus sobrinhos, o qual mais tarde iria causar algumas dores de cabeça para Abrão.

Seus olhos estão abertos para as oportunidades?

Durante meu período de intercâmbio vivi algo novo para mim, que me deixou chocado principalmente nos três primeiros meses de intercâmbio e que foi bem diferente da minha experiência anterior, me fazendo pensar muito e refletindo inclusive neste texto: REFUGIADOS.

A Igreja ainda vive o Pentecostes?

Na data de nascimento da Igreja o que nós temos é a expressão maior do que a Igreja é chamada a vivenciar. Ela nasce com um sentido e um propósito específico: anunciar as maravilhas do Senhor na língua de todos os povos. E para isso os discípulos são capacitados pelo agir do próprio Espírito Santo, cumprindo a promessa de Jesus. Não depende de nós, depende de agir do Espírito Santo em nós. É ele que nos concede esse poder de anunciar em todas as línguas o que o próprio Deus quer para os povos.

As inscrições para Intercâmbios 2020 – 2021 estão abertas!

Viva uma aventura longe da sua zona de conforto. Inscrições até 30 de outubro.

Nem sempre o Feliz Dia das Mães é um dia feliz

O Dia das Mães já se tornou sinônimo de afeto, carinho e consideração pelas mães. É uma data de singular importância sobretudo por reforçar os vínculos familiares. Mas, infelizmente, esse dia não é uma boa lembrança para todas as pessoas. Existem aquelas que sofrem simplesmente por lembrar de uma data assim.

1º Encontro de Empreendedores – Novo Hamburgo/RS

Esse foi o primeiro encontro regional organizado por empreendedores cristãos em Novo Hamburgo. Você é convidado a participar do próximo Encontro de Empreendedores, em Florianópolis/SC.

#somosME

O Encontrão nasceu como um movimento e quer continuar assim. Para que isso aconteça, a sua participação é essencial. Entre com contato e faça a sua doação.

Newsletter

Assine e fique por dentro de tudo o que acontece no ME.

Email Marketing by E-goi Email Marketing by E-goi

Siga-nos

e tenha atualizações regulares, em tempo real.