Reflexões sobre a igreja em Stavanger

Reflexões sobre a igreja em Stavanger

Faz 07 semanas que começamos nossos estágios nas respectivas cidades. Estou em Stavanger, uma cidade com 130 mil habitantes e talvez pequena aos olhos brasileiros mas não tão pequena aos padrões noruegueses, um país com 5,4 milhões de habitantes.

Limpos como a neve

jan 23, 2023 | Artigos, Intercâmbios

Uma das minhas maiores expectativas em vir para a Noruega era finalmente conhecer a neve. Eu cresci sonhando com ela e imaginando todas as coisas que eu faria quando nós (eu e ela) nos encontrássemos pela primeira vez. Com a chegada dos meses mais frios do ano, a minha expectativa de vê-la só aumentava. Meu primeiro encontro com a neve foi no dia 21/11, em uma segunda-feira à noite. No entanto, nada ficou branco por aqui. Os flocos eram tão pequenos, que a Rebeca (minha teammate) e eu só conseguimos enxergá-los quando olhamos diretamente na direção da luz do poste da rua e nem conseguíamos senti-la. Mesmo assim, foi especial e as lágrimas não demoraram para vir aos meus olhos. Por um longo tempo, eu não conseguia parar de sorrir. Ainda assim, ficamos na expectativa de ver uma neve mais significativa, que alterasse a paisagem que estávamos acostumadas.

E aí, o grande dia chegou: 8 de dezembro. Eu acordei de manhã, olhei pela janela e notei que a chuva estava caindo de um jeito um pouco diferente. Foi só quando eu olhei para o chão branquinho que percebi: não era chuva (era neve!!!). Comecei a vagar pela casa, contemplando a paisagem de cada janela, cada ângulo, até que finalmente veio o momento de andar, tocar, sentir, brincar com a neve pela primeira vez. Estava muito frio, mas o meu coração estava quentinho com tantas novas descobertas. Enquanto eu caminhava e contemplava cada detalhe, louvei e agradeci a Deus por Ele ser capaz de revelar o seu poder de tantas formas diferentes.

Ultimamente, quando eu vejo a neve, eu me lembro de um dos momentos em que ela é citada na Bíblia, em Isaías 1:18:

 “Embora os seus pecados sejam vermelhos como escarlate, eles se tornarão brancos como a neve; embora sejam rubros como púrpura, como a lã se tornarão.”

Esta é uma promessa de Deus para o seu povo, que nos lembra da profunda transformação que o sacrifício de Jesus na cruz é capaz de realizar: pelo seu sangue, nós somos lavados e recebemos uma chance de nova vida em Cristo. Nos tornamos páginas em branco, assim como a neve. Hoje, conhecendo a transformação que ocorre quando a neve entra em cena, esta comparação faz mais sentido para mim. Pelo sangue de Jesus, nós nos tornamos novas criaturas e ganhamos uma segunda chance. Esta é uma notícia tão maravilhosa, que temos dificuldade de processá-la. Quando eu olho para minha história com Cristo, vejo vários momentos em que eu duvidei do que o seu poder era capaz de operar em mim. Momentos em que eu me esqueço de que a vida que eu tenho não é mais regida pela lógica desse mundo, mas sim regida pelo que sou em Cristo: não pelo o que eu faço ou pelo o que os outros pensam de mim. E esta verdade, assim como a neve que cai do céu, vem para transformar tudo à sua volta: meus relacionamentos, motivações, medos e vontades.

Ao mesmo tempo, eu também encontro momentos em que eu não acreditei que Jesus poderia transformar a história de outros. Como um fariseu, eu me coloco em um pedestal e olho para os outros como perdidos demais, pecadores demais, sujos demais para que o amor de Cristo possa transformá-los. No entanto, a Bíblia mostra, vez após vez, que não existe escuridão impossível de ser vencida pelo sacrifício de Jesus. Assim como Ele transformou minha História, Ele é capaz de fazer isto com qualquer um que o aceite como Salvador. No amor e graça de Deus, todos podem se tornar limpos como a neve!

Minha oração é que, a cada dia, Deus lembre a mim (e a você) de que nEle somos “novas criaturas as coisas antigas já passaram; eis que se fizeram novas” (2 Coríntios 5:17).

Por: Sarah Pessôa

Fique por dentro do que acontece no ME!

Reflexões sobre a igreja em Stavanger

Reflexões sobre a igreja em Stavanger

Faz 07 semanas que começamos nossos estágios nas respectivas cidades. Estou em Stavanger, uma cidade com 130 mil habitantes e talvez pequena aos olhos brasileiros mas não tão pequena aos padrões noruegueses, um país com 5,4 milhões de habitantes.